Páginas

quinta-feira, dezembro 29, 2011

...Faúlhas...

A ponta da agulha
Desponta a pele pútrida
Aponta para o sul
Desaponta o velho tolo.

De ponta a ponta
Pela ponte adjacente,
A lua a céu poente.
Diz "olá" ao lobo contente.

Da ponta da agulha
O veneno escorre lentamente.

A velha com pés dormentes.

A lua a oeste, em poente.

Salve ao sol imponente!
Aí vem o sol nascente!

Para descontrair...Simon's Cat in 'Fowl Play'

quarta-feira, dezembro 28, 2011

...vós ouvis?

...Sopra a fé imaculada dos pagãos,
No vento gélido que envolve-lhe a carne...
As profundas marcas das pegadas,
Deixadas pelos monstros da alma.
Achatam o coração, comprimem a emoção.
Não há mais camponesa enraizada.
Não há mais calmaria, ao soar a voz de sinos.
Não há mais refúgio ou morada.
Não há mais o sabor adocicado que deixam os sonhos.
Não há mais enlace arredio dos frios braços.
Só o costumeiro vento,
Só o costumeiro tremor,
Só o costumeiro amargor.

quarta-feira, dezembro 21, 2011

Ao alvorecer.

Da lágrima do ontem,
Tenho ainda a sensação de dissabor.
O sorriso do hoje soa-me vagamente falso...
...Em contrapartida, mostra-se resistente.

Com cálices de lucidez,
Pranteio minha alegria,
E com tenras hóstias,
Alimento-me da encenação.

As cicatrizes e vidros quebrados permanecem,
Porém, é mais contente a vinda do porvir.
Licença Creative Commons
This work by Sara Müssnich is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License. O Plágio é crime e está previsto na lei N° 9610 sobre direitos autorais.